Madalena

Madalena cansou da hipocrisia 

E cortou laços. 

Mais uma vez foi julgada. 

Mas não há empatia que resista ao falso.

Madalena enxergou que seu tempo é escasso

Ela precisa prover o essencial.

Madalena, então, guardou todas as pedras

Não fez castelo algum 

Pois não tem tantas habilidades manuais.

Ela fez um ladrilho em seu chão

E caminhou melhor. 

Madalena se libertou e apenas foi viver

Dizem que ela é feminista por isso

Talvez ela seja apenas e simplesmente feminina

E não siga as regras sociais pré estabelecidas.

Pois Madalena refletiu: Quem as estabeleceu? 

Madalena escreve, e com a escrita remexe estruturas arcaicas, sociais, políticas.

Madalena ocupa seu lugar de fala.

Os incomodados se retiram realmente incomodados.

Não resistem ao diverso,

Seu falso moralismo os cega de tal forma 

Que é absurdo Madalena escrever, falar e fazer o que quer.

Madalena recebe conselhos para apagar o que publica ou escreve

Ora, não fica bem para uma mulher, Madalena.

Quem é ela? Não tem quem dome Madalena? 

Madalena retomou as rédeas da sua vida

E desmascarou, sem querer, os conservadores 

Este nunca foi seu objetivo. 

Seu objetivo era escolher seu caminho.

Mas as máscaras ficaram espalhadas pelo chão

Os papéis e atuações também.

Madalena hoje é presente no teatro da vida como protagonista

Atenta ao roteiro 

E ao que está por trás das cortinas quando acaba o espetáculo.

– Vanessa Pinheiro, 21.11.2022.

Fotografia: Viviane Rento, 2022.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s